Novidades

A mesma velha lamentação (da Babilônia)

Autor aponta realidade de conflito que envolve controvérsia em relação à adoração a Deus, observância do sábado e perseguição em um decreto dominical. Conceito bíblico de uma controvérsia final em relação a adoração a Deus, como criador, é uma realidade.

Uma onda recente de escatologia antiadventista tem surgido. É a mesma velha lamentação (da Babilônia), só que vindo do nosso meio. Roma não é mais um jogador importante; a perseguição dominical nunca surgirá; nosso cenário do tempo do fim vem de Ellen White, não da Bíblia. E devemos parar de assustar as pessoas.

Livro de Daniel

Para começar, Roma – não é mais um jogador?

Em Daniel capítulo 2, logo após a queda da Grécia antiga (Daniel 2:39), o ferro nas pernas da estátua, e o ferro e o barro em seus pés e dedos dos pés (Daniel 2:33, 34, 39-43) representam o último império terrestre, que permanece até que uma pedra, que “do monte foi cortada […], sem auxílio de mãos” (Daniel 2:45) destrói a terra, e Deus estabelece Seu reino eterno (Daniel 2:44).

Em Daniel 7, após a queda da Grécia antiga (Daniel 7:6), a quarta besta com seu chifre pequeno (Daniel 7:7, 8, 19-21) representa o império terrestre final, que permanece até que Deus estabeleça Seu reino eterno: “Mas os santos do Altíssimo receberão o reino e o possuirão para todo o sempre, de eternidade em eternidade” (Daniel 7:18).

Já em Daniel 8, após a queda da Grécia antiga (Daniel 8:8, 21, 22), o chifre pequeno representa o último império terrestre (Daniel 8:9-11, 22-25), que existe até que é sobrenaturalmente destruído, como em Daniel 2, “sem esforço de mãos humanas” (Daniel 8:25) no “tempo do fim” (Daniel 8:17).

Que poder, que também desempenha um papel importante no Novo Testamento, surge depois da Grécia antiga e permanece até nossos dias (como deve ser se destruído no final)?

Este mesmo poder também perseguiu o povo de Deus (Daniel 7:21), foi blasfemo (Daniel 7:20), exaltou-se contra “o príncipe do exército” (Daniel 8:11) e cuidou “em mudar os tempos e as leis” (Daniel 7:25). Portanto, a menos que os críticos possam identificar outro grande poder que surge após a Grécia antiga, que perseguiu o povo de Deus, que cuidou “em mudar os tempos e as leis” e que perdura até os nossos dias – o posicionamento adventista sobre Roma continua a ser a única opção viável.

Apocalipse

E essa opção se torna ainda mais viável, graças a Apocalipse, capítulo 13, que faz referência às mesmas imagens que Daniel 7 usou para representar o poder terrestre final, aquele que surgiu depois da Grécia antiga e permanece até ser destruído sobrenaturalmente no fim do mundo.

Em outras palavras, Roma – que agora, no Apocalipse, é retratada como o principal jogador do fim do jogo, ou seja, uma besta (Apocalipse 13:1-11), a mesma besta por trás da infame e apocalíptica “marca da besta” (Apocalipse 16:2).

Obviamente, a interpretação “tradicional” adventista da “marca da besta” e a perseguição do tempo do fim também são ridicularizadas.

Vamos ver…

Adoração no centro

O Apocalipse descreve os eventos finais como centrados na adoração. A adoração da besta e de sua imagem (Apocalipse 14:9), ou adoração a Deus, o Criador, Aquele que “fez o céu, e a terra, e o mar e as fontes das águas” (Apocalipse 14:7). A linguagem aqui é extraída diretamente do quarto mandamento (Êxodo 20:10).

Este é o único mandamento que mostra por que devemos adorar a Deus – porque Ele é o Criador. E é o mesmo mandamento que Roma procurou mudar, substituindo o decreto de Deus (o sétimo dia) pelo do homem (o primeiro). “Observamos o domingo em vez do sábado porque a Igreja Católica transferiu a solenidade do sábado para o domingo” (Peter Geiermann, The Convert’s Catechism of Catholic Doctrine, IL: Tan Books and Publishers, 1977, página 50).

Enquanto isso, os seguidores do Senhor – que são descritos, duas vezes, como guardadores dos “mandamentos de Deus” (Apocalipse 12:17; 14:12) – adoram a Deus porque, como Criador (e, também, nosso Redentor), só Ele é digno de adoração (Apocalipse 5:9).

E não existe símbolo mais fundamental Dele, como nosso Criador, do que o sábado do sétimo dia, que (novamente) o poder da besta procurou mudar. Para um poder terreno tentar mudar, de certa forma, usurpar o sinal mais básico da doutrina mais básica, a criação, é tentar usurpar a autoridade do Senhor no nível mais básico possível: Deus como Criador.

O único nível mais básico é o próprio Deus, e porque nenhuma entidade, celeste ou terrestre, pode chegar a Ele, em vez disso, chega o mais perto possível: do sinal fundamental Dele como Criador – o sábado do sétimo dia.

Perseguição por causa do sábado?

Mas, perseguição por causa do sábado?

Em Mateus 12, depois que Jesus curou no sábado o homem com a mão atrofiada (Mateus 12:9-13), como os líderes religiosos reagiram? “Retirando-se, porém, os fariseus, conspiravam contra ele, sobre como lhe tirariam a vida” (Mateus 12:14). Morte por causa do sábado do sétimo dia? Em João 5:1-16, após outra cura milagrosa no sétimo dia, os líderes “e os judeus perseguiam Jesus, porque fazia estas coisas no sábado” (João 5:16).

Morte por causa da tradição humana (nada na Bíblia proíbe curar no sábado, assim como nada na Bíblia coloca o domingo no lugar do sábado) versus o sábado do sétimo dia? Embora a questão específica aqui com Jesus não seja a mesma dos eventos finais, é próxima o suficiente: a lei humana versus a de Deus. E, em ambas, a lei contestada gira em torno do sábado bíblico.

É difícil, então, ver como a questão de adorar ao Criador ou à besta e sua imagem não será sobre o único mandamento que aponta a Deus como Criador e que revela porque devemos adorá-Lo – o mandamento exato que o poder da besta usurpou.  

Argumentação de Ellen White

E, no que diz respeito a usar Ellen White para provar nossa posição sobre a marca da besta… Onde eu a citei acima?

Finalmente, e quanto a assustar as pessoas com aquelas bestas ferozes e advertências sobre a perseguição e decretos de morte? Noé provavelmente ouviu algo semelhante. Talvez alguém tenha dito a Malaquias: Será que você não pode se concentrar mais no amor de Yahweh em vez de dar advertências desagradáveis ​​como: “Eis que vos reprovarei a descendência, atirarei excremento ao vosso rosto, excremento dos vossos sacrifícios, e para junto deste sereis levados” (Malaquias 2:3)? E o que dizer do sermão de Jesus no monte: guerras, rumores de guerras, fome, pestilência, iniquidade, perseguição, “o princípio das dores” (Mateus 24:8)?

Desculpe-nos, se necessário, por pregar a marca da besta. É uma parte integrante das três mensagens angélicas e do “evangelho eterno” a ser proclamado pelo povo de Deus do tempo do fim. Afinal, aquele que o receber apenas “beberá do vinho da cólera de Deus, preparado, sem mistura, do cálice da sua ira” (Apocalipse 14:10). Não podemos, sem avisar sobre os eventos que precedem esse acontecimento, proclamar fielmente a segunda vinda de Jesus.

Uma coisa é nossa mensagem do tempo do fim ser atacada pelos de fora. Mas pelos de dentro? Seria ingênuo esperar o contrário. Infelizmente.

Clifford Goldstein é teólogo e autor do guia de estudos da Bíblia conhecido como Lição da Escola Sabatina, da Igreja Adventista do Sétimo Dia, em âmbito mundial.

Facebook Comments Box

sobre TEMPO PROFETICO TEMPO PROFETICO

Além disso, verifique

Atenção especial às profecias

Especialista em Antigo Testamento reforça necessidade de direcionar os olhos para os livros de Daniel …

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

seis − 4 =