Novidades

Líquido ou sólido?

O povo de Deus precisa resistir à tentação de se moldar aos padrões do mundo

A água é um elemento vital para a manutenção da vida, mas também uma grande fonte de ilustrações espirituais. Na Bíblia, ela é símbolo de várias coisas. No santuário, a água era purificadora (Êx 29:4; Nm 8:6, 7). Na igreja, a “lavagem de água pela Palavra” leva à santificação (Ef 5:25-27). Na conversão é necessário “nascer da água e do Espírito” (Jo 3:5). Mas a grande força de sua mensagem está em Deus, a “fonte de água viva” (Jr 2:13), que se revela por meio de Jesus (Jo 4:10) e que faz de Seus filhos “rios de água viva” (Jo 7:38) para compartilhar a salvação.

Em seu livro Desconforme-se (Thomas Nelson, 2017), Richarde Guerra usa a água como ilustração de nossa postura espiritual nestes dias tão desafiadores. Ele mostra que uma poça de água e um cubo de gelo são quimicamente iguais, mas na prática são diferentes. O estado líquido tem o que se chama de “forma variável”. Nele a água se molda ao recipiente onde é colocada. Pode ser um copo, uma fôrma, uma bacia ou qualquer outro objeto, ela se adapta imediatamente. O estado sólido, porém, tem uma “forma constante”. O cubo de gelo, dentro de um copo, bacia ou fôrma, terá exatamente o mesmo formato de cubo.

Isso nos ajuda a entender melhor a recomendação do apóstolo Paulo: “E não vivam conforme os padrões deste mundo” (Rm 12:2). Se ele fosse um químico, teria escrito: “Não sejam líquidos” ou “Não assumam a forma do recipiente em que vocês estão”. Seu convite é para que sejamos cubos de gelo que não se derretam diante dos desejos secularizados.

A sedução para nos moldarmos aos padrões do mundo é muito grande. Esses padrões aparecem na tela do celular, do computador ou da TV. Estão nos livros, revistas e vídeos. Manifestam-se nas casas, ruas e até mesmo em algumas de nossas igrejas, atraídas por uma visão secular. Nesse contexto, “a Bíblia passa a ser interpretada majoritariamente pela cultura, predomina a religião existencialista do aqui e agora, a missão se resume à assistência social, o pentecostalismo rapta o louvor e a adoração, os métodos são mais importantes que o conteúdo, santidade se torna legalismo e fé é confundida com sentimentalismo” (Vinícius Mendes, “Do Calvário ao Santuário”, Revista Adventista, abril de 2019, p. 15).

É fundamental retornar ao estado sólido que marcou o cristianismo em seu começo. Conforme ressaltou Ben Franks, o cristianismo nasceu desafiando a ordem social “em pelo menos três áreas amplas”: (1) “era uma religião distinta”, (2) “tinha uma ética distinta” e (3) “era uma cultura distinta” (bit.ly/3tGMNz4). Por mais atraente que uma “religião líquida” possa parecer, Ellen White alerta contra a tentação de “baixar ao nível do mundo” em nome da aceitação ou cumprimento da missão. Ela insiste: “Nas palavras, no vestuário, no espírito, em tudo, enfim, deve haver assinalada distinção” (Para Conhecê-Lo, p. 305).

Ser como água que se molda às necessidades do próximo leva esperança e compartilha o amor de Deus. Mas ser como o gelo significa manter a identidade e não negociar princípios. Para isso, precisamos mergulhar a mente na água transformadora da Palavra de Deus. Só ela é capaz de purificar nossas referências e nos tornar mais sólidos e mais consistentes.

ERTON KÖHLER é presidente da Igreja Adventista para a América do Sul

(Artigo publicado originalmente na seção Bússola da edição de março de 2021 da Revista Adventista)

Facebook Comments Box

sobre TEMPO PROFETICO TEMPO PROFETICO

Além disso, verifique

Haja luz! E houve escuridão

Há muita escuridão quando se fala da interpretação bíblica. Cinco critérios básicos precisam ser observados …

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

doze − 6 =