Inicial ARTIGOS Como entender o capítulo 11 de Daniel – Segunda parte

Como entender o capítulo 11 de Daniel – Segunda parte

23 minutos de leitura
0
0
63

Segunda parte da entrevista com doutor Roy Gane traz uma interpretação possível para se entender símbolos do capítulo 11. O décimo-primeiro capítulo do livro de Daniel é motivo de interpretações múltiplas nos meios teológicos.

De acordo com seus estudos, qual é a principal preocupação do capítulo 11 para o leitor interessado em profecias?

Daniel 10:14 registra as palavras de um ser celestial que disse a Daniel o propósito da revelação que ele estava prestes a receber em 11:2-12:3. O ser disse a Daniel: “estou aqui para explicar o que acontecerá com seu povo no futuro, pois essa visão se refere a um tempo que ainda está por vir”.

Nós que cremos no Deus de Daniel somos o povo do fim dos tempos de Daniel. Os eventos finais previstos em 11:40-12:3 estão prestes a acontecer, porque a profecia foi cumprida até 11:39. Ellen White escreveu: “a profecia do capítulo onze de Daniel atingiu quase o seu cumprimento completo. Logo se darão as cenas de perturbação das quais falam as profecias” (Testemunhos Seletos, volume 3, página 283). Portanto, a revelação a Daniel é para nós também para que entendamos o que vai acontecer conosco. Esse conhecimento nos fortalece a manter nossa fé em Deus e Sua libertação final (12:1-3), por meio de circunstâncias violentas e difíceis (11:40-45), incluindo o momento mais conturbado da história do mundo (Daniel 12:1).

A visão de Daniel 10:14 é a que foi descrita na primeira parte de Daniel 8. Como resultado de experimentar essa visão, Daniel estava preocupado e muito chateado sobre a condição de seu povo (judeu) e de sua cidade e templo, e o que poderia acontecer com ele (9:2-20). Então, Gabriel respondeu às suas preocupações ao revelar o que aconteceria em um futuro relativamente próximo, incluindo o momento em que o libertador prometido, o Messias, apareceria (9:24-27).

Em 11:2-12:3, Daniel recebe muito mais informações sobre o futuro de seu povo, incluindo eventos que precedem a morte do Messias (no versículo 22), e depois disso até a segunda vinda de Cristo (12:2-3). Conflitos e perseguições previstos em Daniel 11 trariam direta e indiretamente testes de fé ao povo de Deus, mas Daniel poderia ser encorajado porque Deus os levaria à segurança eterna. O povo de Deus não precisa temer a perseguição, o perigo e a morte na vida presente, porque Ele os ressuscitará “para a vida eterna” (12:2) quando Jesus vier novamente (1 Tessalonicenses 4:13-17). A presciência de Deus proporciona a garantia de que Ele sabe o que Seu povo precisa e é capaz de cumprir Suas promessas a eles.

Daniel 11 é a profecia histórica mais detalhada na Bíblia, demonstrando a precisão da presciência de Deus mais que em qualquer outra passagem bíblica. As previsões neste capítulo são tão precisas em detalhes que os estudiosos que não acreditam que Deus revela o futuro tentam explicar essa precisão alegando que grande parte de Daniel 11 foi escrita depois dos eventos e descreve o que já aconteceu. Mas a presciência de Deus prova que Ele é a única divindade real em quem podemos confiar (veja, por exemplo, Isaías 42:9; 46:9-10), e Daniel 11 é a demonstração suprema disso.

Identidade do rei do sul

O versículo 40 e os próximos no capítulo 11 são considerados ainda mais obscuros por muitos, pois as imagens ali contidas são vistas por muitos como difíceis de serem exaustivamente compreendidas. Qual é sua avaliação sobre o significado da parte final do capítulo?

Podemos identificar os eventos em Daniel 11:2-39 como já tendo sido cumpridos, incluindo a blasfema auto exaltação da Igreja de Roma contra Deus nos versículos 36-39 (compare com Daniel 7:8, 25; 8:10-12; 2 Tessalonicenses 2:3-4; Apocalipse 13:5-8). Mas não vimos o cumprimento de Daniel 11:40-45. No entanto, podemos entender alguns aspectos desses versículos à luz das conexões entre eles e partes anteriores de Daniel 11.

Daniel 11:40 prevê que em/durante (preposição b) “o tempo do fim, o rei do Sul lutará contra ele”, isto é, o provocará a entrar em combate mútuo. Aqui ele se refere ao mesmo rei do Norte, ou seja, o chefe da Igreja de Roma que age nos versículos anteriores da formação desta união igreja-estado no versículo 23 (ver acima). O rei do Norte rapidamente retalia invadindo e conquistando terras/países (versículos 40, 42) pertencentes ao rei do Sul, incluindo Egito, Líbia e Cuxe, que nos tempos antigos incluíam o sul do Egito e parte do Sudão (versículos 40-43).

No entanto, os territórios da Transjordânia onde o povo de Edom, Moabe e Amon habitaram nos tempos antigos (agora no país da Jordânia) serão poupados do “rei do Norte” (versículo 41).

Já sabemos que o rei do Norte no final de Daniel 11 é a Igreja de Roma, um poder político-religioso. Mas quem é o rei do Sul? Nos versículos 5 a 17, o rei do Sul era o governante ptolomaico do Egito. Mas depois da morte de Cristo, no versículo 22, o rei do Sul reaparece nos versículos 25 a 30. Continuando a descrição da Igreja de Roma dos versículos 23 e 24, os versículos 25-30 predizem uma série de conflitos militares que a Igreja inicia contra o rei do Sul (versículo 25).

Os versículos 25-30 não se referem explicitamente ao rei do Norte, mas, como a Igreja de Roma ataca o rei do Sul, fica claro que a Igreja é governada pelo rei do Norte. A igreja tomou o lugar dos imperadores romanos que substituíram os reis selêucidas do Norte (ver acima). Não havia um rei do sul separado durante o período da Roma Imperial, porque o Egito fazia parte do Império Romano, mas posteriormente o Império Romano foi dividido entre o norte “cristão” e o sul islâmico durante a Idade Média.

Islamismo

De fato, a Igreja político-religiosa de Roma iniciou uma séria de “guerras santas” por parte das nações “cristãs” da Europa contra o poder político-religioso islâmico. O objetivo dos cristãos era tomar dos muçulmanos a terra de Israel. Isto é, a “terra santa” para onde os peregrinos cristãos viajavam, fugindo dos muçulmanos. Essas guerras começaram com o chamado do papa Urbano II, em 1095 d.C., para que os cristãos se unissem e lançassem a primeira cruzada. No entanto, as nações da “cristandade” acabaram falhando em manter a “terra santa”, como previsto em Daniel 11:30 (“ele terá medo e se retirará”).

Agora podemos ver que a profecia sobre a Igreja de Roma em Daniel 11:23-45 contém três partes. Primeiro, os versículos 23-30 se concentram em suas atividades políticas até o final das cruzadas. Em segundo lugar, os versículos 31-39 se concentram nas atividades religiosas da Igreja, começando com sua remoção anterior (do que as cruzadas) do culto regular a Deus e o estabelecimento da abominação desoladora (versículo 31; compare 12:11 no início dos 1.290 dias proféticos) e continuando durante o período anterior ao “tempo do fim”. A terceira parte de Daniel 11:40-45 retorna às atividades políticas da igreja durante “o tempo do fim” (veja o versículo 40).

A igreja continua a ser uma força político-religiosa que atua por meio de estados civis, possuindo poder militar, do qual é aliada. Seu concorrente e rival continua sendo o mesmo rei do Sul político-religioso contra quem lutou nas cruzadas: o Islã. Os países que o rei do Norte (= a Igreja de Roma) invade nos versos 41-43 após sua entrada “na terra gloriosa” (= a terra de Israel) continuam a ser islâmicos. Assim, os versículos 40-43 preveem o que poderia ser chamado de “a última cruzada”. A Igreja de Roma e seus aliados atacarão novamente o poder islâmico, desta vez com sucesso final no estabelecimento da Igreja como o poder religioso dominante.

No entanto, a satisfação do triunfo pelo “rei do Norte” durará pouco. O versículo 44 prediz: “Mas, então, chegarão notícias do leste e do norte que o deixarão alarmado, e ele partirá enfurecido para destruir e aniquilar muitos”. O que poderia causar tal alarme à Igreja depois de ter obtido a vitória sobre as forças terrenas? Por que lançará outra campanha, desta vez não para conquistar território, mas para exterminar pessoas, indicada pelo mesmo termo hebraico para devoção à destruição total que anteriormente se aplicava à aniquilação dos ímpios cananeus pelos israelitas (como em Deuteronômio 20:16-18; Josué 6:21; 8:26)?

Quatro pistas para responder a essas perguntas são encontradas nos versículos anteriores e posteriores. Primeiro, o versículo 30 diz que depois que “o rei do Norte” se retirasse no final das cruzadas, ele “ficaria enfurecido e tomaria medidas contra a santa aliança”. Isso significa que a Igreja de Roma perseguiria aqueles que fossem leais à aliança de Deus dentro de seu próprio território (compare os versículos 32-35). A história poderia ser repetida se o versículo 44 significasse que a Igreja se voltaria contra o povo fiel de Deus após a Última Cruzada.

Em segundo lugar, o “rei do Norte” está prestes a “chegar ao seu fim, sem ninguém para ajudá-lo” (versículo 45). E isso ocorre apesar de afirmar seu domínio político-religioso, colocando estrategicamente um quartel general “entre o mar e o glorioso monte santo” (versículo 45), que se refere ao monte do templo na terra de Israel.

Isso não significa que a terra de Israel e Jerusalém, com seu templo monte, continuem a ter um significado especial de aliança para o povo de Deus (como acreditam os dispensacionalistas futuristas). No entanto, eles continuam a ter grande importância para a Igreja de Roma e para o Islã. Apesar de sua supremacia terrena, o rei do Norte” será destruído por um poder mais forte, que a previsão paralela em 8:25 identifica como “nenhuma mão humana”, implicando o poder de Deus. O “rei” ficaria com medo se ouvisse que Deus estava prestes a acabar com ele e se voltaria contra aqueles que comunicassem aquela mensagem.

Terceiro, quando o rei do Norte está tentando acabar com muitas pessoas e chega ao seu fim, “Nessa época, Miguel, o grande príncipe que guarda seu povo, se levantará” (12:1). Ter o comando do povo de Daniel significa que Miguel protege (o hebraico literalmente significa “fica por cima”) o povo fiel de Deus no fim dos tempos. Ele os protege de quê? Nesse contexto, quem precisa de proteção são as pessoas que são caçadas pelo rei do Norte.

Quarto, a notícia que alarma o rei do Norte é “do Oriente e do Norte” (versículo 44). Essas são as direções pelas quais Ciro, governante persa, veio para conquistar a Babilônia e libertar o povo de Deus (Isaías 41:2, 25; 44:28; 45:1-3, 13; 2 Crôn. 36:22-23; Esdras 1; Ciro veio da Pérsia, no leste, pelo norte para conquistar Babilônia). Elas também são direções que estão associadas com Deus (norte em Isaías 14:13) e a segunda vinda de Cristo (leste em Mateus 24:27; veja também Apocalipse 16:12), quando Ele vencerá os poderes humanos malignos e opressores do Planeta Terra (Apocalipse 19:11-12), e salvará Seu povo fiel (Apocalipse 20:4; veja também 7:13-17).

Proclamação da vinda de Cristo

À luz dos fatores mencionados acima, faz sentido que a “notícia do Oriente e do Norte” seja a proclamação da segunda vinda de Cristo por Seu povo leal. Essas pessoas mantêm sua fidelidade ao Deus verdadeiro, o único que é digno de adoração porque Ele criou tudo (Apocalipse 14:7; conforme celebrado por Seu sábado do sétimo dia; Êxodo 20:11). Eles se recusam a se curvar à falsa adoração (Apocalipse 13) que Deus condena (14:8-11). Em vez disso, eles escolhem guardar os mandamentos de Deus e a fé em Jesus (versículo 12), que destruirá o “iníquo” (2 Tessalonicenses 2:8), isto é, a Igreja de Roma. Não admira que eles serão vistos como traidores e ameaçados de extermínio pela Igreja e seus aliados! Mas o povo de Daniel/do fim dos tempos de Deus será libertado. “Os que forem sábios resplandecerão como o fulgor do firmamento, e os que conduzirem muitos à justiça brilharão como as estrelas, sempre e eternamente” (Daniel 12:3).

 

Carregue mais artigos relacionados
Carregar mais por TEMPO PROFETICO TEMPO PROFETICO
Carregue mais ARTIGOS

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Verifique também

As mensagens angélicas são para o nosso tempo?

Se todos soubessem que as mensagens deixadas por Deus para a humanidade por meio de três a…