Novidades

Desafio de teólogos é tornar livro de Daniel mais compreendido

Trabalhos acadêmicos e ensino prático têm ampliado entendimento sobre obra profética. Daniel é uma das obras mais importantes da Bíblia, principalmente em relação ao futuro da humanidade.

O pastor costarriquenho Carlos Mora, doutor em Antigo Testamento, reconhece que os adventistas têm um desafio bem claro: tornar o conteúdo do livro de Daniel mais conhecido e compreendido pelas pessoas. A 14ª edição do Simpósio Bíblico-Teológico Sul-Americano, encerrado nesse sábado, 30, na Faculdade Adventista Paranaense, confirmou a importância dessa obra para a sociedade atual. Mora foi um dos palestrantes, tem um livro publicado sobre Daniel e pelo menos 15 artigos acadêmicos a respeito de aspectos relacionados à obra.

Mas, na prática, a percepção que ele possui é a de que existe pouco entendimento acerca do que o texto de Daniel significa. “Nosso grande objetivo deve ser o de levar o livro de forma simples às pessoas. Elas precisam entender que essa mensagem tem impacto sobre o desenvolvimento espiritual delas”, comenta o professor da Universidade de Montemorelos, instituição adventista localizada no México.

A necessidade de fazer com que os ensinos contidos no livro de Daniel façam sentido às pessoas é justificada. O pastor Alberto Timm, diretor associado do Ellen White Estate (instituição adventista responsável pelo patrimônio literário da pioneira e profetisa), explica que, historicamente, esse livro do Antigo Testamento sempre foi central para os adventistas. Em 1833, por exemplo, o pregador Guilherme Miller já tinha escrito sobre Daniel.

O movimento milerita, que há dois séculos arrebanhou milhões de pessoas nos Estados Unidos em torno da mensagem sobre a breve volta de Jesus, levou muitos ao estudo de Daniel. A interpretação do capítulo 8, em especial, derivou no episódio do grande desapontamento. Finalmente, o movimento de Miller, Joshua Himes e outros ministros de diferentes denominações evangélicas, deu ensejo ao estabelecimento da Igreja Adventista do Sétimo Dia, organizada oficialmente em 1863.

Publicações pioneiras

Entre 1869 e 1871, nos tempos adventistas do sétimo dia organizados, o antigo editor de periódicos da denominação, Uriah Smith, encarregou-se de disponiblizar uma série de 54 artigos sobre Daniel na publicação Advent Review and Sabbath Herald.

Timm afirma que o livro de Daniel é essencial para o adventismo e para o cristianismo de uma forma geral. “Não é possível ignorar o livro. Há toda uma estrutura nessa obra capaz de fazer com que as pessoas se entendam como cristãos. As profecias bíblicas dão segurança quanto ao futuro”, arremata. Carlos Mora faz eco a essa ideia e assegura que “Daniel mostra um Deus que controla a história e oferece a certeza de que seu povo está sendo guiado por Ele”.

Na prática

Durante o Simpósio, alguns trabalhos chamaram a atenção para o livro e suas conexões com o cotidiano da vida espiritual das pessoas. O artigo do pastor e professor Antonio Tavela, e dos estudantes Charles Cabral e Marcos Pimentel, por exemplo, relaciona a fidelidade de Daniel a Deus, relatada no primeiro capítulo do livro, e foi analisada como resultado do ensino religioso recebido da sua família. A preocupação da pesquisa foi a de identificar, na bibliografia, o abandono da fé nas novas gerações. No resumo do trabalho, é dito que o “quadro de apostasia e a educação religiosa doméstica será destacada como a principal estratégia de conservação das novas gerações na Igreja”.

Dezenas de pessoas têm desenvolvidos trabalhos acadêmicos e práticos relacionados ao estudo do livro de Daniel e de profecias bíblicas (Foto: Marketing/FAP)

Já a teóloga Rejane Godinho também se valeu do primeiro capítulo de Daniel para sua análise. Mas a ideia foi a de compreender a religiosidade/espiritualidade, escolha alimentar e desempenho acadêmico apresentados no capítulo sob a ótica gramático-histórica e em artigos científicos dos últimos dez anos.

O jornalista Felipe Lemos, por sua vez, apresentou artigo a respeito do ensino sistemático e regular sobre o livro de Daniel na igreja local. Ele dirige classes de estudos proféticos desde 2016, voltadas a públicos em geral, inclusive não adventistas. Na sua análise e pesquisa, procurou mostrar que o ensino acerca do livro faz parte da missão adventista de levar o conhecimento a todos. E mostrou o resultado de alunos que, inclusive, tornaram-se adventistas participando dos estudos.

Facebook Comments Box

sobre TEMPO PROFETICO TEMPO PROFETICO

Além disso, verifique

Mensagem para nossos dias

Por que o livro O Grande Conflito precisa ter ampla circulação. Acabamos de passar pelo …

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.

dois − um =